Boletim 19

Boletim ANPHLAC ano XV número 19 – 2006

 

EDITORIAL

 

Caros associados e demais interessados na pesquisa e ensino de História das Américas, apresentamos o Boletim Eletrônico n.19, referente ao segundo semestre de 2007 e primeiro semestre de 2008. Neste número, destacamos, em primeiro lugar, as três resenhas publicadas. Fábio Lucas da Cruz, mestrando em História Social da USP comenta o livro de José del Pozo Artigas. Exiliados, emigrados y retornados: chilenos em América y Europa, 1973-2004, Frederico Santos Soares de Freitas, pesquisador de Iniciação Científica da USP comenta o livro de Roberto Hosne. Francisco Moreno. Una herencia patagónica desperdiciada e Tania Gomes Mendonça, pesquisadora de Iniciação Científica da USP, comenta o livro de Alicia Azuela de la Cueva, Arte y poder: Renacimiento Artístico y Revolución Social – México, 1910-1945. Além das resenhas, publicamos aqui informações enviadas por nossos associados. Vocês podem consultar, então, nos informes, o calendário dos eventos relacionados à nossa área de pesquisa (dados coletados na internet) e as defesas de dissertações e teses do período e os livros e revistas publicados recentemente, além de informações sobre grupos de pesquisa na área.
Gostaríamos, também, de aproveitar este espaço para fazer um pequeno balanço de nossa gestão. Ao longo dos últimos dois anos (outubro de 2006 e julho de 2008), houve uma série de avanços: realizamos uma reforma estatutária, adequando o nosso estatuto ao novo Código Civil, assim como atualizando-o com as deliberações de nossas últimas assembléias; registramos nossa Associação em Cartório e conseguimos o CNPJ da Associação; criamos uma nova logomarca e layout que estão presentes, agora, em nossos documentos; adquirimos um domínio próprio na internet (www.anphlac.org ) e reformulamos nossa página eletrônica que pode ser acessada em modo dinâmico (resolução 1024x768 – flash) ou em modo estático (resolução 800x600 – html) se adaptando a todos os tipos de computadores e conexões existentes; foi criado um novo projeto gráfico para o boletim eletrônico (os números 18 e 19 foram lançados, o n.18 também na forma impressa); foi criado também um novo projeto gráfico para a nossa Revista Eletrônica que hoje está classificada pela área de História, como Periódico Nacional Nível A, no Sistema Qualis da Capes (dois números foram lançados, o número 6 de 2007 e o número 7 de 2008); lançamos o projeto gráfico do GT de Ensino de História das Américas e Fontes com as primeiras contribuições ao Projeto de Textos Didáticos e registramos o prefixo editorial da ANPHLAC na Biblioteca Nacional, com isso, nossos números de ISBN terão, a partir de agora, o prefixo 61621, que é o registro da ANPHLAC como Editora.
Desde o surgimento de nossa Associação em 1993 e, ao longo desse período, a pesquisa brasileira nos diversos campos da História das Américas se desenvolveu significativamente. Graças às iniciativas desenvolvidas, tornaram-se mais numerosos os pesquisadores, multiplicaram-se os títulos de livros de História das Américas produzidos, fato que pode ser constatado pelo número de livros a serem lançados durante o VIII Encontro Internacional da ANPHLAC. Teremos o lançamento de 13 livros e 2 periódicos com dossiês na área. Formaram-se, neste período, profissionais de alto nível e quadros acadêmicos de destaque nas instituições de ensino superior nacionais. Criaram-se Grupos de Pesquisa, sobretudo liderados por professores-orientadores dos cursos de pós-graduação, constituídos pelos seus mestrandos e doutorandos. Muitos destes presentes no VIII Encontro Internacional da ANPHLAC.
Uma forte preocupação da ANPHLAC é sempre ter, entre seus integrantes, e associados, historiadores comprometidos com o fortalecimento da área de História das Américas. A ANPHLAC tem estimulado também a renovação em seus quadros, abrindo-se para a nova geração de pesquisadores, fato que pode ser constatado através da campanha de filiação em nossa home page e a realização de nosso recadastramento de associados. Isto permitiu a renovação e atualização de nossa base de associados. Nossa base de dados anterior tinha muitos nomes com endereços desatualizados. A partir de agora, todo associado que se cadastre em nossa home page, pode acessar os seus dados pessoais através de senha e atualizá-los. O trabalho de gestão da base de dados também foi agilizado permitindo o controle financeiro do pagamento de anuidades num só lugar, sem ter que transferir dados e informações a cada mudança de diretoria. Através da home page, os membros da diretoria podem gerar e imprimir listas de associados quites com a anuidade de qualquer ano ou listas de não-associados, podem gerar etiquetas para o envio de mala direta, e, ainda, podem gerar a lista de e-mails de associados ou não associados para envio de mensagens eletrônicas específicas para cada segmento. Também foi criado um sistema que permite a colocação de notícias e links e várias outras informações sem que seja necessário ter conhecimentos técnicos específicos. As diretorias vindouras poderão elaborar notícias e informações para os associados e atualizar várias seções da home page, usando um programa comum de edição de textos, como o Word ou OpenOffice e, através do copiar/colar, transferi-los imediatamente para a home page sem complicações.
A reunião bi-anual de nossa Associação, em sua oitava edição, congrega hoje um grande número de pesquisadores e demonstra o fortalecimento crescente de nossa Associação de Pesquisadores e Professores de História das Américas (ANPHLAC). Podemos considerar, hoje, que nosso Encontro Internacional é o maior evento de historiadores brasileiros que pesquisam na área de História das Américas, como demonstram a quantidade de inscritos e o número de mesas redondas. Provenientes de diversas regiões do país e também do exterior, os trabalhos inscritos nos apresentam os resultados de pesquisas e debatem variados temas diretamente relacionados à História das Américas. Uma rica e complexa rede de relações individuais e interinstitucionais se estabelece, favorecendo a riqueza e a variedade de intercâmbios intelectuais. Temos a certeza de que esta será a tônica do VIII Encontro Internacional da ANPHLAC que se realiza em Vitória, de 29 de julho a 1 de agosto de 2008, na Universidade Federal do Espírito Santo.
A programação do VIII Encontro Internacional é bastante diversificada. Destacamos, em primeiro lugar, nossos conferencistas. Abrindo as nossas atividades, o prof. Dr. Ricardo Salvatore, da Universidade Torcuato Di Tella – Buenos Aires, proferirá a conferência “Los historiadores norteamericanos y la cuestión colonial en las Américas, 1900-1950”. O prof. Dr. Jaime de Almeida, da Universidade de Brasília proferirá a conferência “História, memória e esquecimento: Santa Librada no Bicentenário da Independência da Colômbia”. Fechando o nosso evento, a profa. Dra. Maria Lígia Prado proferirá conferência de encerramento tendo por tema “O sagrado e o Moderno: configurações pictóricas da Cultura Mexicana (1890-1920). Como uma das fundadoras da ANPHLAC gostaríamos de ressaltar também o caráter de homenagem de que se reveste esta escolha. O encontro teve 179 trabalhos inscritos e foram organizadas 54 mesas-redondas, com uma variedade de temas significativa, distribuídas nos horários da manhã e da tarde.
Gostaria de agradecer a todos que colaboraram para a realização deste evento e às agências financiadoras FACITEC, FAPES, CAPES e CNPQ. Que este evento, além de encontro científico de pesquisadores na área de História das Américas, seja também um local de encontro e de confraternização e que nossa Associação e as pesquisas na área de História das Américas continuem se fortalecendo cada vez mais.
Este boletim depende das informações enviadas por nossos associados. Por isso, reiteramos aqui a necessidade das contribuições a serem enviadas para os próximos números.

Um cordial abraço
Antonio Carlos Amador Gil - Presidente da ANPHLAC

 

 

 

INFORMES

 

IV Simposio Internacional "Las mujeres en la independencia de América Latina"

Lima-Peru - 19 a 21 de agosto de 2009
http://webserver.rcp.net.pe/cemhal/

 

 

53° Congresso Internacional de Americanistas

Los Pueblos americanos: cambios y continuidades. La construcción de lo proprio en un mundo globalizado
Centro Historico, Cidade do México - 19 a 24 de julho de 2009
http://www.53ica.com

 

 

XXVIII International Congress of the Latin American Studies Association - LASA

Rethinking inequalities
Rio de Janeiro, Brasil - 11 a 14 de junho de 2009
http://lasa.international.pitt.edu/congress/about.html

 

 

XI Congreso Solar - Sociedad Latinoamericana de Estudios sobre América Latina y el Caribe

Bahía Blanca, Argentina - 18 a 21 de novembro de 2008
http://www.solar-2008.com

 

 

IV Simpósio Internacional de Estudos sobre América Colonial

UFMG - Belo Horizonte – 12 a 14 de novembro de 2008
http://www.ufmg.br/americacolonial

 

 

Congresso Internacional "Ciencias, tecnologías y culturas."

Diálogos entre las disciplinas del conocimiento. Mirando el futuro de América Latina Y Caribe
Universidade de Santiago do Chile - 29 de outubro a 02 de novembro de 2008
http://www.internacionaldelconocimiento.org

 

 

V Colóquio História e Arqueologia da América Indígena

Universidade de São Paulo – 28 e 29 de outubro de 2008
http://www.fflch.usp.br/cema

 

 

5º Foro Latinoamericano "Memoria e Identidad"

Un modelo de desarrollo desde el horizonte cultural de los pueblos
Montevidéu, Uruguai - 23 a 26 de outubro de 2008
http://www.signo.com.uy/index_archivos/Page398.htm

 

 

Simpósio Religiosidade na América Colonial

Franca-SP - 13 a 16 de outubro de 2008
http://www.franca.unesp.br/gth/index.php

 

 

XII Jornadas Internacionales sobre las Misiones Jesuíticas

Interacciones y sentidos de la conversión
Buenos Aires-Argentina - 23 a 26 de setembro de 2008
http://www.12jimj.com.ar

 

 

Jornadas Internacionales de Problemas Latinoamericanos

Los Movimientos Sociales en América Latina. Pasado, presente y perspectiva
Mar del Plata, Argentina - 25, 26 e 27 de setembro de 2008
http://www.jornadaslatinoamericanas.blogspot.com

 

 

XV Congresso Internacional de Ahila

1808-2008 - Crisis y Problemas de Ahila
Ahila – Holanda - 26 a 29 de agosto de 2008
http://www.leiden.edu/ahila2008/

 

 

XIII Congreso de Latinoamericanistas españoles

Consejo Epañol de Estudios Iberoamericanos (CEEIB) - 18-20 de setembro de 2008
Facultad de Ciencias Humanas y Sociales - Universitat Jaume I – Espanha
http://www.cial.uji.es

 

 

I Congresso Internacional do Núcleo de Estudos das Américas (NUCLEAS)

UERJ – Rio de Janeiro - 8 a 11 de setembro de 2008
http://www.nucleodeestudosdasamericas.com/congresso/index.htm

 

 

3° Encuentro "La problemática del viaje y los viajeros"

América Latina y SUS miradas - Imágenes, representaciones e identidades
Tandil, 14 - 16 de agosto de 2008
Universidad Nacional del Centro (Tandil) – E-mail: blancounicen@yahoo.com.ar

 

 

LEBAS – LABORATÓRIO DE ESTUDOS "BRASIL NA AMÉRICA DO SUL"

SALA 315: Laboratório de Estudos do Tempo Presente / PPGHC / UFRJ
www.tempopresente.org (projetos em curso)

Professora Coordenadora: Raquel Paz dos Santos (raquelpaz@ig.com.br)
Líder de Pesquisa: Daniel Santiago Chaves

1. Considerações iniciais introdutórias
O LEBAS surge da necessidade ainda persistente de um maior conhecimento entre os países da América do Sul, diante da crescente importância que a região vem ganhando na agenda da política externa brasileira em virtude do revigoramento do projeto de integração em voga, como por exemplo, o Mercado Comum do Sul (MERCOSUL) ou a Iniciativa para a Integração da Infra-estrutura Regional Sul Americana (IIRSA), dentre diversas outras não menos importantes.  O aumento da produção acadêmica brasileira é reflexo direto deste fenômeno, espelhando um novo momento que traz novos problemas para a pesquisa.
2. Agenda de atividades do laboratório
As atividades do LEBAS também consistem na leitura, análise e debate de textos históricos, metodológicos e teóricos, bem como fontes documentais como artigos de jornais e revistas, correspondências e outras documentações diplomáticas, projetos governamentais e de grupos da sociedade civil sobre a questão da integração sul-americana, estratégias de  defesa, de cooperação tecnológica, aproximação cultural, etc.
Participação dos alunos graduandos em cada uma das etapas das pesquisas propostas pelo Laboratório. O aluno pós-graduando se integraria ao LEBAS participando das discussões dos textos e pesquisas e do planejamento das atividades, colaborando com a coordenação no trabalho de orientação dos graduandos. Dessa forma, participaria em conjunto com estes, de seminários, grupos de discussão e outros eventos de socialização dos estudos desenvolvidos pelo laboratório.
Tese defendida em março de 2008 no PPGH (UFF)
Título: “Um olhar sobre o país vizinho: representações do Brasil e da Argentina no contexto das representações diplomáticas (1930-1954)”
Autora:  Raquel Paz dos Santos  Orientadora:  Profa. Dra. Cecília da Silva Azevedo
Resumo: O objetivo central do estudo foi à análise do discurso político construído pela diplomacia brasileira e argentina para “descrever”, “traduzir” as características e especificidades do país vizinho. As fontes privilegiadas foram às correspondências diplomáticas. Nesse contexto, foram também analisados os projetos de intercâmbio artístico, intelectual e científico  entre ambos os países através de documentação referente às missões científicas e artísticas, às exposições de arte e de literatura, às traduções de livros de escritores argentinos e brasileiros para o português e o espanhol, às mostras de livros e de turismo, aos Institutos Culturais, às escolas “argentinas” e “brasileiras” - que procuraram estimular o sentimento de fraternidade bilateral e continental -, intercâmbios sindicais. Além da diplomacia, esses projetos contaram com a ampla participação de intelectuais, médicos, professores, estudantes, artísticas, trabalhadores, etc., que concebiam a cooperação como um fator importante para o progresso e desenvolvimento de ambas as sociedades. Este novo olhar sobre as relações argentino-brasileiras traz novas interpretações sobre a historiografia, permitindo fazer uma crítica à recorrente imagem da rivalidade tão enfatizada por vários estudos do período aludido.

 

 

 

PUBLICAÇÕES

 

200 Años de Olvido: Santa Librada en la Memoria de la Independencia
Autor: ALMEIDA, Jaime de
XV Congreso de Colombianistas – Independencia e Independencias. Bogotá: Sociedad de Colombianistas, p. 1-11. 2007

Santa Librada: lugar de memoria y olvido. Un nuevo reto en la investigación, la oralidad
Autor: ALMEIDA, Jaime de
Segundo Encuentro Internacional de Historia Oral, 2007, Panamá. Memorias del Segundo Encuentro Internacional de Historia Oral. Panamá: Universidad de Panamá, p. 1-8. 2007

Verbete América 2007
Autor: MÄDER, Maria Elisa Noronha de Sá
Historia de los Conceptos Políticos em Iberoamérica (1750-1850)

Verbete Pedro de Araújo Lima
Autor: MÄDER, Maria Elisa Noronha de Sá
Chicago: Thomson Gale Editor, 2007 (Verbete para a Encyclopedia of Latin American History and Culture, 2nd Edition)

Tempos Revolucionários
Autor: MÄDER, Maria Elisa Noronha de Sá
Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, p. 33 - 36, 01 jan. 2008

Perspectivas para a América latina no século XXI
Autor: MÄDER, Maria Elisa Noronha de Sá
Revista História Agora, Rio de Janeiro, 19 mar. 2007

Novo Populismo?
Autor: MÄDER, Maria Elisa Noronha de Sá
Revista Nuevamerica, v. 1, p. 14-17, 2007

Jaime de. Heroísmo, juventude e envelhecimento
Autor: ALMEIDA, Jaime de
SECOM - Secretaria de Comunicação da UnB - Artigos. Brasília, p. 1 - 1, 2007

A Independência dos aristocratas
Autor: ALMEIDA, Jaime de
História Viva. São Paulo, p. 62 - 69, 2007

Memória e Esquecimento: imagens da violência primordial na História da América Latina
Autor: ALMEIDA, Jaime de
Revista de História da UPIS, v.2, p. 49-61, 2007

Dossiê: História das Américas
Autor: Depto. de História/ USP
Revista de História n.º 153, 2.º semestre de 2005

Dossiê: América: política e instituições
Autor: Antonio Carlos Amador Gil e Fábio Muruci dos Santos (ORGs)
Dimensões. Revista do Departamento de História da UFES, Programa de Pós-Graduação em História das Relações Políticas – UFES, n.19, jan/jun 2007, ISSN: 1517-2120 – Dossiê: América: cultura e representações e n.20, ago/dez 2007, ISSN: 1517-2120

Dossiê: Polifonia e Latinidade
Autor: Programa de Estudos Pós-Graduados em História da PUC-SP
São Paulo, Projeto História, Nº 32, Junho 2006. ISSN: 0102-4442

Dossiê: Américas
Autor: Programa de Estudos Pós-Graduados em História da PUC-SP
São Paulo, Projeto História, Nº 31, Dezembro 2005. ISSN: 0102-4442

Dossiê: História das Américas: Política e Cultura
Autor: Programa de Pós-Gradução em História da UFMG
Belo Horizonte, Varia Historia, Nº 38, Julho/Dezembro 2007. ISSN: 0104-8775

Representações da Revolução Mexicana no Museu Nacional de História da Cidade do México (1940-1982)
Autor: VASCONCELLOS, Camilo de Mello
São Paulo, Alameda, 2007

Semear Horizontes: uma história da formação de leitores na Argentina e no Brasil, 1915-1954
Autor: SOARES, Gabriela Pellegrino
Belo Horizonte, Editora da UFMG, 2007

Corporaciones en el poder. Institutos económicos y acción política en Brasil y Argentina: IPÊS, FIEL y Fundación Mediterránea
Autor: RAMÍREZ, Hernán
Buenos Aires: Lenguaje Claro, 2007. ISBN: 97898723627

Reflexões sobre a Democracia na América Latina
Autor: PRADO, Maria Lígia Coelho, SOARES, Gabriela Pellegrino e COLOMBO, Sylvia
São Paulo, Editora do SENAC, 2007

Revoluções de independências e nacionalismos nas Américas - Região do Prata e Chile
Autor: MÄDER, Maria Elisa Noronha de Sá, PAMPLONA, M. A. (org.)
Rio de janeiro: Paz e Terra, 2007

Revoluções de Independências e Nacionalismos nas Américas - Nova Espanha
Autor: MÄDER, Maria Elisa Noronha de Sá, PAMPLONA, M. A. (org.)
1ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008

O grande irmão: da Operação Brother Sam aos anos de chumbo. O governo dos Estados Unidos e a ditadura militar brasileira
Autor: FICO, Carlos
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008

4 de julho de 1776: Independência dos Estados Unidos da América
Autor: JUNQUEIRA, Mary Anne
São Paulo: Companhia Editora Nacional; Lazuli Editora, 2007

Pablo Neruda: uma poética engajada
Autor: COSTA, Adriane Vidal
Rio de Janeiro: Editora E-papers, 2007

Terra e capitalismo: a questão agrária na Colômbia, 1848-1853
Autor: CHECCHIA, Cristiane
São Paulo, Alameda, 2007

TEXTOS DIDÁTICOS: História da América
Autor: CAVALCANTE NETO, FAUSTINO TEATINO E LIMA & WILLIAMS BARTOLOMEU BARACHO (ORG)
Ano 1, vol. 11, nº 2 Campina Grande, EDUFCG, 2007 (Série História)

Cidades. Histórias, Mutações, Desafios
Autor: BELLOTTO, Manoel. Marcondes, Neide (org.)
São Paulo: Arte&Ciência Editora, 2007

20 de Novembro de 1910: A Revolução Mexicana
Autor: BARBOSA, Carlos Alberto Sampaio
São Paulo: Lazuli Editora; Companhia Editora Nacional, 2008

Em nome da América: os Corpos da Paz no Brasil
Autor: AZEVEDO, Cecília da Silva
São Paulo: Alameda, 2008

A Revolução boliviana
Autor: ANDRADE, Everaldo de Oliveira
São Paulo: editora Unesp, 2007

 

 

MATÉRIAS

 

A arte numa perspectiva diplomática: renascimento artístico mexicano e sua influência sobre a arte moderna dos EUA

RESENHA:AZUELA DE LA CUEVA, Alicia. Arte y poder: renacimiento artístico y revolución social, México, 1910-1945. Zamora, Michoacán: El Colegio de Michoacán: Fondo de Cultura Económica, 2005.
Tânia Gomes Mendonça(Pesquisadora de Iniciação Científica da USP)
Publicado em 2005, o trabalho intitulado Arte y poder – Renacimiento Artístico y Revolución Social – México, 1910-1945, de Alicia Azuela, enfoca a história da arte mexicana para além dos limites da história nacional, uma vez que a autora pretende lançar luz sobre o impacto do denominado renascimento artístico mexicano na história da arte moderna dos EUA.
Para tanto, investiga a intensificação do intercâmbio artístico ocorrido entre os Estados Unidos e o México no contexto pós-Revolução Mexicana - momento no qual há um incentivo, por parte do Estado mexicano, aos projetos artísticos interessados na construção de uma nova identidade nacional. Com isso, os projetos dos pintores muralistas passam a ser comissionados pelo Estado a fim de ornamentarem os edifícios públicos, constituindo parte do discurso da nova fase política.     
Os pintores de maior projeção dentro deste grupo subvencionado pelo Estado mexicano foram convidados a fazer trabalhos comissionados nos Estados Unidos a partir dos anos vinte. Tais comissões foram oferecidas aos artistas muralistas porque, além do caráter fortemente nacional dos murais, também havia neles um sentido internacional e contemporâneo: com a participação da “elite transcultural” na execução dos projetos (muitos dos pintores muralistas haviam estudado na Europa), as obras eram apoiadas em princípios “próprios e essenciais da estética moderna”.
 Aliado a este argumento formal figura o contexto histórico das comissões oferecidas pelos Estados Unidos: a política norte-americana da Boa Vizinhança, cujo objetivo era manter relações mais brandas com os governos dos países latino-americanos a fim de obter apoio no contexto da II Guerra Mundial. Nota-se, neste sentido, que Alicia Azuela parece se ressentir dos artistas que se deixaram seduzir pela atração norte-americana - em especial Diego Rivera - apoiando a perspectiva de que este último traiu o grupo dos pintores muralistas da esquerda mexicana ao aceitar convites patrocinados por figuras como Rockefeller e os Ford.
O representante da Boa Vizinhança no México foi Dwight W. Morrow, embaixador dos Estados Unidos. Ele desempenhou um papel particularmente importante para o intercâmbio cultural entre os dois países: o papel da diplomacia. Segundo a autora, Dwight W. Morrow inaugurou as políticas diplomáticas de constantes ameaças provenientes dos Estados Unidos para um incentivo ao intercâmbio cultural. Tal mudança tinha como objetivo, além de manter uma relação menos dura para com o governo mexicano num período de crise financeira e de conflitos mundiais, “desarmar’ os artistas mexicanos de suas posições anti-capitalistas.
Embora o livro privilegie as viagens desses artistas aos Estados Unidos, é importante ressaltar que Alicia Azuela também atribui um capítulo de seu trabalho aos artistas e intelectuais de esquerda dos Estados Unidos que imigraram para o México durante o período da Primeira Guerra Mundial. A autora afirma que, insatisfeitos com a entrada de seu país nativo numa guerra que possuía objetivos puramente capitalistas, eles foram buscar no México um contexto mais revolucionário e mais digno de esperanças.
Com isso, a autora pretende dialogar com os pesquisadores de história da arte dos Estados Unidos, os quais não evidenciam a importância do renascimento artístico mexicano para o processo de criação da arte moderna norte-americana – constatação que muito a incomoda. Esse diálogo com os investigadores dos Estados Unidos torna-se ainda mais evidente pelo fato de a historiadora ter concluído o seu mestrado com enfoque em arte contemporânea na Universidade de Boston.
Tal constatação poderia ser uma justificativa para o limite de sua investigação, uma vez que, se por um lado a historiadora pretende apontar uma análise transnacional da arte mexicana-norte-americana, por outro elabora um trabalho mexicanista, uma vez que defende praticamente de forma unilateral a influência artística do México sobre as artes plásticas produzidas dos Estados Unidos, não desenvolvendo a influência contrária.
Apesar disso, ao ultrapassar os limites da história nacional, Alicia Azuela obtém resultados interessantes e inovadores, uma vez que, em contraposição a uma ampla produção historiográfica que enfoca as políticas culturais mexicanas no seu contexto nacional, a autora lança luz sobre a relação político-cultural entre os dois países analisados – México e Estados Unidos.
Finalmente, é necessário sublinhar que, a fim de desenvolver uma análise sobre as relações entre arte e poder, Alicia Azuela utiliza como documentos não somente os trabalhos plásticos produzidos pelos artistas como, também, as fontes que atestam como estas foram vistas por seus contemporâneos. Assim, são analisadas fontes de críticos de arte e de intelectuais que defendiam ou criticavam o renascimento artístico mexicano, além de projetos político-culturais aplicados no período. Portanto, o esforço da pesquisadora em produzir esse diálogo a respeito da influência da arte mexicana, tanto dentro da formação da identidade do novo Estado mexicano como na criação artística dos Estados Unidos, parte de uma análise mais sociológica que propriamente estética do campo artístico.
A percepção da obra de arte como elemento que circula nos dois países, numa perspectiva relacionada ao âmbito da sociologia da cultura, é mais importante na sua linha de investigação do que as obras plásticas como documentos a serem analisados formalmente. Por isso, sua pesquisa está apoiada nas relações entre as instituições oficiais e os intelectuais e artistas, buscando um enfoque nos projetos culturais e na circulação das obras entre México e Estados Unidos. A metodologia condiz com o objetivo da autora de construir uma discussão histórica que ultrapasse os limites da identidade nacional.

 

 

RESENHA: HOSNE, Roberto. Francisco Moreno - Una herencia patagónica desperdiciada. Buenos Aires: Emecé, 2005. 232 p.

Frederico Santos Soares de Freitas. Pesquisador de Iniciação Científica – Universidade de São Paulo)
Roberto Hosne é um jornalista argentino autor de diferentes livros sobre a Patagônia, que se propôs a fazer uma breve biografia de Francisco Pascasio Moreno (1852-1919). Moreno, mais conhecido como “Perito” por seu papel de especialista na demarcação das fronteiras meridionais entre o Chile e a Argentina, foi um explorador, geógrafo, etnógrafo e naturalista autodidata que teve um papel fundamental na construção da porção meridional do território argentino.
Entre as décadas de 1870 e 1880, Perito Moreno empreendeu cinco expedições à Patagônia. Naqueles tempos, a região ainda não havia sido incorporada de facto ao Estado argentino. Com essas expedições, Moreno realizou inúmeros propósitos: explorou rios e lagos; mapeou o território; entrou em contato com povos caçadores-coletores originários da região, como os tehuelches; descreveu a fauna e a flora; caçou animais e coletou plantas para sua coleção de história natural; e até mesmo recolheu artefatos arqueológicos. Ele também entrou em contato com colonos ingleses e galeses que começavam a se fixar na região - sua intenção era convencê-los a se tornarem cidadãos argentinos, o que faria deles uma prova diante do Chile da efetiva presença argentina na região. Moreno possuía vários projetos para o desenvolvimento da Patagônia: planejava a exploração das riquezas naturais através da transformação dos indígenas em agricultores e criadores de gado. Além disso, pretendia colonizar a região com a distribuição das terras recém-anexadas a colonos interessados em desbravar a fronteira, num processo baseado na construção de estradas-de-ferro e inspirado na colonização do oeste norte-americano. Porém, segundo Hosne, logo de início Moreno percebeu que a burocracia oficial e a inércia de uma sociedade conformista e acomodada em seu papel de país agro-exportador colocavam grandes dificuldades para a realização de seu projeto.
Durante todo o texto, que possui um formato jornalístico, o autor assume um tom laudatório. Para ele, Moreno foi um herói nacional e o continuador do projeto de Sarmiento, pois além de ter “servido à Nação” no mapeamento e exploração do território, criou e implementou programas de educação universal quando ocupava a cadeira de vice-presidente do “Consejo Nacional de Educación”. Em sua obra, Hosne percorre um duplo caminho: alinha-se ao discurso de Perito Moreno, ao mesmo tempo que o utiliza para embasar sua própria visão do presente. Aqui a História surge como “mestra da vida”, ao demonstrar que a sociedade nacional atual está cometendo os mesmos erros que já estavam presentes na sua origem e que foram apontados por Moreno. Roberto Hosne lamenta que a Patagônia seja hoje em dia tão pouco desenvolvida, com a maior parte da população dependendo do Estado e com a pouca riqueza que é produzida na região canalizada para o estrangeiro. Para ele, é uma lástima que um homem como Francisco Moreno não seja lembrado nos dias de hoje e que seus projetos de desenvolvimento e seu exemplo de vida formem um legado que é desperdiçado pelas gerações atuais.

 

 

 

As diversas trajetórias da emigração chilena

RESENHA: ARTIGAS, José del Pozo. Exiliados, emigrados y retornados: chilenos em América y Europa, 1973-2004. Santiago: RIL Editores, 2006.
Fábio Lucas da Cruz. Mestrando em História Social – USP
Perante a carência de pesquisas mais amplas e diversificadas sobre o exílio vivenciado por latino-americanos durante o longo século XX, o livro “Exiliados, emigrados y retornados: chilenos em América y Europa, 1973-2004” apresenta-se como relevante contribuição para a construção de visões sobre o conjunto dos diferentes contextos que definiram a emigração e, em especial, o exílio. Organizada por José del Pozo Artigas, professor da Universidade de Quebec, a coletânea de artigos começou a ser projetada a partir de um seminário sobre emigração e exílio latino-americano durante o Congresso Mundial de Americanistas em 2003. Oito estudiosos de diferentes áreas envolveram-se na produção de textos que sintetizam suas pesquisas sobre as emigrações de chilenos decorrentes tanto de fatores econômicos, quanto de motivações políticas, como são os casos de exílio a partir do golpe militar de 1973. A obra concede espaço à avaliação das instabilidades presentes no retorno dos exilados ao país após o fim do regime autoritário e às contradições e reformulações identitárias produzidas pelos deslocamentos.
O primeiro artigo da  coletânea, escrito por Cláudio Bolzman, apresenta uma classificação dos movimentos de emigração de sul-americanos para a Europa que toma como parâmetro a relação entre estes deslocamentos e a inserção da América Latina na economia mundial. Segundo o autor, as primeiras emigrações do início do século são realizadas pela elite dentro de um quadro de dependência cultural e econômica da América em relação ao continente europeu. A estes deslocamentos segue-se uma segunda etapa de emigração marcada pelas constantes viagens de artistas e intelectuais à Europa e pelas críticas que empreendem ao modelo de civilização européia em prol de uma revisão do contexto sócio-cultural da América Latina. Um terceiro período é marcado pelo exílio, uma emigração quase sempre involuntária decorrente da repressão política. Conforme as estatísticas apresentadas em outros artigos do livro, são na maioria jovens de alto nível educacional que deixam o país desejando retornar em breve e aproveitar o exílio para organizar a oposição contra  a ditadura. Tais planos são alterados pela grande duração do regime ditatorial e pelos rumos da vida nos novos países. A última etapa de emigração ocorre em meio ao processo de globalização, de crise e reformulação das economias latino-americanas e caracteriza-se pela procura de  oportunidades de trabalho e ascensão social dentro de um contexto de intensa desigualdade.
As dificuldades de adaptação enfrentadas pelos exilados chilenos na Europa são exploradas pelos artigos de Fernando Camacho Padilha, que analisa o exílio na Suécia, e Nicolas Prognon, que observa  os casos na França. Destaca-se o processo de inserção profissional, o estranhamento com culturas e climas e as tensas relações entre o governo chileno e os países que acolhem os exilados, principalmente a Suécia, que recebia os chilenos sem grandes restrições e subvencionava os comitês organizados pelos exilados para criar no exílio uma campanha contra o regime ditatorial. Presentes em diversos países, organizações como estes comitês tornaram-se essenciais para a socialização dos exilados, valorização de sua cultura, manutenção de sua identidade e ação política. Exemplos destes grupos são analisados pormenorizadamente por Cláudia Rojas em seu estudo sobre  a “Casa de Chile en México”, órgão dedicado à denúncia das arbitrariedades do governo chileno e ao auxílio de exilados, e José del Pozo, que detalha os grupos de militantes políticos, mulheres ou da chamada “terceira idade” existentes em Québec e que se reuniam para discutir política ou manter vivas as tradições culturais chilenas.
A presença de chilenos no Brasil é averiguada por Verônica Aravena Cortés numa síntese de sua tese de doutorado sobre a imigração de chilenos para São Paulo. O fator preponderante desta emigração é a atração pelas possibilidades de trabalho durante o chamado “milagre econômico”. A autora demonstra como os grupos familiares conseguiam se formar e se manter neste processo, dando especial atenção às mulheres e mostrando como nas últimas décadas, no período pós-ditadura, estes chilenos passaram a se enquadrar no processo de pauperização da mão-de-obra e de crise econômica.
Estudando o caso específico do exílio do poeta e cantor chileno Oswaldo Rodríguez, Nancy Morris apresenta as dificuldades que o exilado tinha em viver numa espera pelo retorno e em se inserir no contexto do novo país. Ao relatar o retorno do artista ao Chile na década de 1990 e sua volta à Europa por não se reconhecer mais no lugar de origem que tanto idealizara, a autora demonstra a complexidade do retorno e a confrontação da imagem mítica com a nova realidade do Chile. Este tema é analisado detalhadamente no artigo de Loreto Rebolledo a partir da idéia de “desencantamento” que pais e filhos nascidos no exílio enfrentam ao chegar ao Chile depois das transformações das idéias e paisagens e de uma adaptação ao cotidiano e cultura da Europa que colocam a necessidade de escolher realizar um novo e doloroso processo de adaptação ao país tão diferente daquele deixado anos atrás ou manter a vida construída no país de exílio.
Além de apresentar artigos que conseguem abordar com eficácia diversos aspectos dos processos migratórios, o livro contém dados estatísticos sobre a presença de chilenos em diferentes países e uma excelente indicação bibliográfica. Torna-se, portanto, uma referência fundamental e um ponto de partida para novas iniciativas de debate sobre a história dos deslocamentos populacionais na América Latina, principalmente o exílio, um fenômeno complexo que marca de forma indelével a história recente de muitas nações.

 

 

 

INICIAÇÃO CIENTÍFICA

 

O profundo e o imaginário: a repercussão do Exército Zapatista de Libertação Nacional na Imprensa Brasileira (1994-2004)
Autor: Fábio da Silva Sousa
Instituição: Universidade Estadual Paulista, Julio de Mesquita Filho - campus Assis
Orientador: Carlos Alberto Sampaio Barbosa
Defesa: 2007

Civilização e Ordem: a idéia de nação nos textos de Sarmiento e do Visconde de Uruguai
Autor: Elizabeth de Mesquita Aleixo
Instituição: PUC-RJ e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí
Orientador: Maria Elisa Noronha de Sá Mäder
Defesa: 2007

Civilização e Ordem: a construção da idéia de nação nos textos de Sarmiento e do Visconde de Uruguai
Autor: Cinthia de Almeida e Silva
Instituição: PUC-RJ e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí
Orientador: Maria Elisa Noronha de Sá Mäder
Defesa: 2007

Civilização e Ordem: a idéia de nação nos textos de Sarmiento e do Visconde do Uruguai
Autor: Tatiane Rocha de Queiroz
Instituição: PUC-RJ
Orientador: Maria Elisa Noronha de Sá Mäder
Defesa: 2008

 

 

MONOGRAFIAS

 

O Visconde do Uruguai e o tráfico negreiro: negociação e posicionamento
Autor: Mauricio Adelino da Silva
Instituição: Curso de História. PUC-RJ
Orientador: Maria Elisa Noronha de Sá Mäder
defesa: 2007

São Tiago Maior: a readaptação de uma tradição no período da conquista hispano-americana (séculos XVI e XVII)
Autor: Juberto de Oliveira Santos
Instituição: Curso de História. UFRJ
Orientador: Juliana Beatriz Almeida de Souza
defesa: 2007

Impressões de Sarmiento sobre o Império do Brasil: 1846 e 1852
Autor: Cláudio Luís Quaresma Daflon
Instituição: Curso de História. PUC-RJ
Orientador: Maria Elisa Noronha de Sá Mäder
defesa: 2007

AO Movimento autonomista de Santa Cruz de La Sierra e a crise da constituinte na Bolívia em 2007
Autor: Daniel Santiago Chaves
Instituição: Curso de História. UFRJ
Orientador: Prof. Dr. Francisco Carlos Teixeira da Silva
defesa: 2008

Música e espaço urbano na Belle Époque. A reforma urbana, o tango e o samba: Buenos Aires e Rio de Janeiro, 1880-1930
Autor: Alga Ferreira de Moura
Instituição: Curso de História. UnB
Orientador: Jaime de Almeida
defesa: 2007

 

 

TESES

 

Um olhar sobre o país vizinho: representações do Brasil e da Argentina no contexto das representações diplomáticas (1930-1954)
Autor: Raquel Paz dos Santos
Instituição: PPGH – UFF
Orientador: Cecília da Silva Azevedo
Defesa: 2008

Missioneirismo: a produção de uma identidade regional
Autor: Roselene Gomes Pomer
Instituição: UNISINOS
Orientador: Maria Cristina Bohn Martins
Defesa: 2008

A Arquitetura de uma Crise: história e política econômica na Argentina, 1989 - 2001
Autor: Luiz Eduardo Simões de Souza
Instituição: História Econômica DH-FFLCH-USP
Orientador: Wilson Nascimento Barbosa
Defesa: 2008

Pensando um continente: A Revista Americana e a criação de um projeto cultural para a América do Sul
Autor: Fernando Luiz Vale Castro
Instituição: Programa de Pós- Graduação em História Social da Cultura. PUC-RJ
Orientador: Marco Antonio Pamplona
Defesa: 2007

Antisuyu: an investigation of Inca Attitudes to their Western Amazonian territories
Autor: Cristiana Bertazoni Martins
Instituição: Department of Art History and Theory. University of Essex, UK
Orientador: Valerie Fraser
Defesa: 2007

 

 

DISSERTAÇÕES

 

Neofascismo em cena: o avanço conservador norte-americano e o caso da National Alliance
Autor: Tatiana Poggi
Instituição: Programa de Pós-Graduação em História. UFF
Orientador: Cecília Azevedo
Defesa: 2008

Terra e imigrantes na Colônia Assunguy, Paraná, 1854-1874
Autor: Reinaldo Benedito Nishikawa
Instituição: História Social. USP
Orientador: Horacio Gutiérrez
Defesa: 2007

Nas fronteiras da incerteza. As fugas internacionais de escravos no relacionamento diplomático do Império brasileiro com a república da Bolívia
Autor: Newman di Carlo Caldeira
Instituição: Programa de Pós-Graduação em História Social. UFRJ
Orientador: Juliana Beatriz Almeida de Souza
Defesa: 2007

A tradição Tupiguarani no Alto Uruguai: estudando o "Acervo Marilandi Goulart"
Autor: Mirian Carbonera
Instituição: UNISINOS
Orientador: Pedro Ignácio Schmitz
Defesa: 2008

Nações em Jogo: esporte e propaganda política nos governos de Vargas (1930 – 1945) e Perón (1946 – 1955)
Autor: Maurício da Silva Drumond Costa
Instituição: Programa de Pós-graduação em História Comparada. UFRJ
Orientador: Victor Andrade de Melo
Defesa: null

Os Jesuítas no Começo do Brasil, Guiados pela Fé e Regidos pela Colônia
Autor: Luís Kist
Instituição: UNISINOS
Orientador: Pedro Ignácio Schmitz
Defesa: 2008

Paixões, Transgressões e Tragédias: As Missões Populares Urbanas e Campestres (Província Jesuítica do Paraguai, Primeira Metade do Século XVIII)
Autor: Luís Alexandre Cerveira
Instituição: UNISINOS
Orientador: Profª Drª Eliane Cristina Deckmann Fleck
Defesa: 2008

Experiência de Busca de Liberdade: Alforria e Comunidade Africana em Rio Grande, Séc. XIX
Autor: Jovani de Souza Scherer
Instituição: UNISINOS
Orientador: Paulo Roberto Staudt Moreira
Defesa: 2008

A Problemática das Relações Internacionais e seu Impacto na Argentina, Brasil e Chile durante a Segunda Guerra Mundial (1938 – 43)
Autor: Jorge Luiz Pereira Ferrer
Instituição: Programa de Pós-graduação em História Comparada. UFRJ
Orientador: Francisco Carlos Teixeira da Silva
Defesa: null

Imigração internacional em São Paulo: retorno e reemigração, 1890-1920
Autor: Ilana Peliciari Rocha
Instituição: História Econômica. USP
Orientador: Horacio Gutiérrez
Defesa: 2007

A Comunidade Indígena e a Indo-américa – Mariátegui, APRA e Haya de La Torre em busca de uma identidade nacional peruana
Autor: Felipe Santos Deveza
Instituição: Programa de Pós-graduação em História Comparada. UFRJ
Orientador: Maria da Conceição Pinto de Góes
Defesa: null

Para soletrar a liberdade: um estudo comparado sobre a ideologia educacional do MST e dos Zapatistas
Autor: Clécio Mendes Junior
Instituição: PUC–SP
Orientador: Vera Lucia Vieira
Defesa: 2007

As rosas de R(R)osas. Exílio, utopia e imaginação urbana nas 'margens': Facundo e Borges
Autor: Breno Anderson Souza de Miranda
Instituição: Departamento de História – UFMG
Orientador: Kátia Gerab Baggio
Defesa: 2007

Entre Ruanda e Kosovo: a política externa dos Estados Unidos e a questão do direito de ingerência durante a gestão Bill Clinton (1994 -1999)
Autor: Bárbara da Conceição de Mattos Lima
Instituição: Programa de Pós-graduação em História Comparada. UFRJ
Orientador: Francisco Carlos Teixeira da Silva
Defesa: null

O bonapartismo uruguaio nos editoriais do semanário Búsqueda (1973-1985)
Autor: Antonio Bezerra de Menezes
Instituição: PUC–SP
Orientador: Prof. Dr. Vera Lucia Vieira
Defesa: 2007

Avançar, adaptar e permanecer: a tradição Tupiguarani no Médio Rio das Antas
Autor: Ademir José Machado
Instituição: UNISINOS
Orientador: Pedro Ignácio Schmitz
Defesa: 2008

 

 

EXPEDIENTE