Boletim 20

Boletim ANPHLAC ano XVI número 20 – 2009

 

EDITORIAL

 

Caros colegas associados e demais interessados na área de História das Américas, apresento o vigésimo Boletim da ANPHLAC, referente ao segundo semestre de 2008 e primeiro semestre de 2009. Neste número, além dos tradicionais informes sobre as publicações (livros, capítulos de livros, artigos, dissertações e teses), sobre as defesas de monografias, de mestrado e de doutorado e sobre os eventos, ressaltamos os obituários de Guillermo Lora, importante intelectual boliviano, e de Maria de Fátima da Silva Gôuveia, pesquisadora do Brasil Imperial e professora da Universidade Federal Fluminense.  Deixamos registrada, por meio dos obituários, nossa homenagem a esses importantes pesquisadores. Nesse número, ainda contamos com duas resenhas: a primeira delas, da autoria de Flávia Galli Tatsch, trata do livro de João Feres Jr., intitulado A história do conceito de Latin America nos Estados Unidos; a segunda, produzida por Alex da Silveira, aborda a obra de Antonio Gaztambide-Géigel, intitulada Tan lejos de Dios... Ensayos sobre las relaciones del Caribe con Estados Unidos.  
Gostaria de utilizar o espaço desse Editorial para expor alguns informes importantes sobre a nossa Assembléia, ocorrida em Fortaleza, na Universidade Federal do Ceará, durante o XXV Simpósio Nacional de História, patrocinado pela ANPUH. Nessa ocasião, deliberamos sobre a data de nosso próximo encontro, discutimos sobre a nossa Revista Eletrônica e sobre a dinamização de nosso GT. O IX Encontro da ANPHLAC terá como sede a Universidade Federal de Goiás, em Goiânia, e ocorrerá no período entre 26/07/2010 (segunda-feira) e 29/07/2010 (quinta-feira). Pedimos que os sócios e demais interessados fiquem atentos às nossas home-page e lista de discussão, pois, entre outubro e novembro, iniciaremos o processo de inscrições para o próximo evento da ANPHLAC. Sobre a Revista Eletrônica, cujo dossiê intitula-se Memória e comemorações: história e historiografia nas Américas e encontra-se sob a responsabilidade da Professora Dra. Stella Maris Scatena, os sócios e interessados, em breve, poderão consultar os artigos e resenhas em nossa home-page, uma vez que os trabalhos de revisão encaminham-se para o final. Sobre a dinamização de nosso GT de Ensino de História, é importante registrar que, a pedido dos coordenadores das sub-áreas, nossa página passará por inúmeras reformulações para que os materiais produzidos pelo GT possam ficar mais visíveis, com a finalidade de que a procura e o acesso ao material aumente.
Para finalizar, é importante agradecer a todos aqueles que colaboraram com este Boletim enviando-nos informes, resenhas e redigindo os obituários. Agradeço, especialmente, ao Professor Sean Purdy, que se responsabilizou pelo recolhimento e organização do material recebido. Diante da importância das contribuições, espero, em nosso próximo Boletim, poder contar com os nossos associados e demais interessados para a divulgação de temas de interesse para os profissionais da área de História das Américas.

Fabiana de Souza Fredrigo - Presidente da ANPHLAC

 

 

INFORMES

 

10th International Conference on Urban History

Gent- Belgium
01 a 04/09/2010
http://www.eauh2010.ugent.be/

 

 

Representations of Brazil and Shifting Identities

Chicago – EUA;
10/02/2010
Email: aleblanc@usc.edu, e.shtromberg@utah.edu

 

 

L'indépendance de l'Amérique andine et l'Europe (1767 -1840)

L'indépendance de l'Amérique andine et l'Europe (1767 -1840) Emergence et devenir de l'espace bolivarien: précurseurs, acteurs et concepteurs. Spécificités, modèles et influencesParis-France
28 de maio de 2010
Email: gomez@u-paris10.fr
http://www.u-aris10.fr/IndAmrca/0/fiche___pagelibre/&RH=FR#KLINK

 

 

The XIII Reunión de Historiadores de México, Estados Unidos y Canadá

The XIII Reunión de Historiadores de México, Estados Unidos y Canadá, MÉXICO Y SUS REVOLUCIONES
        Querétaro-México
26 a 30/10/2010
http://13mexeuacan.colmex.mx

 

 

Coloquio 1810 – 1910 – 2010: Independências dependentes

Dresden – ALE
08 a 11/04/2010
contato: Henrik.Karge@tu-dresden.de, Bruno.Klein@tu-dresden.de

 

 

5th International Conference on the History of Women and Gender
in Mexico

Oaxaca – MEX
18 a 20/03/2010
http://etzakutarakua.colmich.edu.mx/proyectos/redmugen/default.asp

 

 

Congreso internacional

Congreso internacional – Nombrar América Latina en sus relaciones internacionales,
desde las independencias hasta nuestros días.
Paris – FRA
07 a 09/01/2010
contato: nblasco@free.fr

 

 

XXIX Encontro de História Econômica e Social

Porto – POR
13 e 14/11/2009
http://web.letras.up.pt/aphes29/index_en.html

 

 

Coloquio Internacional en Homenaje a Franklin Pease G.Y

Lima-PE
11 a 13/11/2009
informações: lregala@pucp.edu.pe, acastel@pucp.edu.pe, fhernan@pucp.edu.pe

 

 

VII Encontro Nacional

VII Encontro Nacional: Perspectiva do Ensino de História
        Uberlândia – MG
03 a 06/11/2009
http://www.viiperspectivas.ufu.br

 

 

XII Jornadas Interescuelas Departamentos de Historia

San Carlos de Bariloche-ARG
28 a 31/10/2009
informes: jih2009@uncoma.edu.ar

 

 

VII Encontro Nordestino de História Oral

São Cristóvão – SE
26 a 29/10/2009
http://viienho.sites.uol.com.br/index.htm

 

 

IV Simpósio Internacional de História.

IV Simpósio Internacional de História: Cultura e Idententidades
        Goiânia – GO
13 a 16/10/2009
contato: Anphu-GO

 

 

VI Encontro Regional Norte de História Oral

VI Encontro Regional Norte de História Oral: Oralidade, Meio Ambiente e Amazônia
        Porto Nacional – TO
13 a 16/10/2009
http://www.uft.edu.br/historiaoral

 

 

II Encontro Cidades Novas

Londrina – PR
13 a 16/10/2009
http://www.evsnet.com.br/cidadesnovas/

 

 

I Encontro dos Núcleos PR e SC do GT História das Religiões e das Religiosidades da ANPUH

Londrina – PR
12 a 15/10/2009
http://www2.uel.br/cch/his/GT-2009/index.php

 

 

VIII Encontro Regional Sudeste de História Oral (ABHO)

Belo Horizonte – MG
05 a 07/10/2009
http://WWW.fafich.ufmg.br/viiiencontrohistoriaoral

 

 

VIII Semana de História da Unijales

Jales – SP
28/09 a 02/10/2009
http://www.unijales.edu.br

 

 

XIII Semana de Geografia e História

Ribeirão Preto – SP
26 a 28/09/2009
http://www.baraodemaua.br/evento_detalhe.php?evento=287

 

 

Woodrow Wilson International Center for Scholars. Fellowships 2010-2011

The Woodrow Wilson International Center for Scholars is announcing the opening of its 2010-2011 Fellowship competition. The Center awards approximately 20-25 academic year residential fellowships to individuals from any country with outstanding project proposals on national and/or international issues. Topics and scholarship should relate to key public policy challenges or provide the historical and/or cultural framework to illuminate policy issues of contemporary importance. Applicants must hold a doctorate or have equivalent professional experience. Fellows are provided stipends (which include round trip travel), private offices, access to the Library of Congress, Windows based personal computers, and research assistants.

For more information and application guidelines please contact the Center at: Tel: 202-691-4170; Fax: 202-691-4001
You can apply online or download the application from the Center’s website at http://www.wilsoncenter.org/fellowships. Application
deadline: October 1, 2009.

 

 

 

PUBLICAÇÕES

 

Tradição e engajamento: Atahualpa Yupanqui e a canção folclorica nos tempos de Perón
Autor: CARCIA, T.C.
São Paulo, Projeto História (PUCSP), v. 36, 2008, p. 16-25

Tradição e modernidade:reconfigurações identitárias na música folclórica chilena dos anos 50 e 60
Autor: CARCIA, T.C.
Pelotas, História em Revista (UFPel), v. 13, 2008, p. 22-30

El "momento Allende" entre la reforma y la revolución
Autor: AGGIO, A.
In: Edison Ortiz. (Org.). Un siglo con Allende. Valencia: Fiadelso, 2008, p. 27-45

O "momento Allende": entre reforma e revolução
Autor: AGGIO, A.
Brasília, Política Democrática, v. 21, 2008, p. 59-67

La cultura política del radicalismo chileno en clave de revolución pasiva
Autor: AGGIO, A.
Ayer, v. 70, 2008, p. 141-168

O passado indígena nas representações criollas da América. Os escritos históricos de Carlos María de Bustamante.
Autor: SANTOS, Fabio Muruci dos
In: Adriana Pereira Campos; Gilvan Ventura da Silva; Maria Beatriz Nader; Sebastião Pimentel Franco; Sérgio Alberto Feldman. (Org.). Os impérios e suas matrizes políticas e culturais. Vitória: Flor e Cultura Editores, 2008, p. 81-93

A América Latina em foco: política externa e debates intelectuais nos Estados Unidos.
Autor: AZEVEDO, Cecília da Silva
In: Rachel Soihet; Maria Regina Celestino de Almeida; Cecília Azevedo; Rebeca Gontijo. (Org.). Mitos, projetos e práticas políticas. Memória e Historiografia. 1a ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, p. 185-203

Imigração e identidade nacional nos EUA: notas sobre um debate
Autor: AZEVEDO, Cecília da Silva
Revista de História (UFES), v. 19, 2008, p. 73-94

A civilização maia: contextualização historiográfica e arqueológica
Autor: NAVARRO, Alexandre Guida
História [online]. 2008, vol.27, n.1, pp. 347-377

Conflito social e movimento estudantil no Chile
Autor: CUADRA, Fernando De la
Rio de Janeiro, FGV, Estudos Historicos, n.42, 2008

Fontes históricas nativas da Mesoamérica e Andes. Conjuntos e problemas de entendimento e interpretação
Autor: SANTOS, E. N.
Clio Arqueológica. Recife, nº. 22, vol. I, 2007, p. 7-49

Pintura Histórica e Ciência: o tema da febre amarela na disputa de imagens nacionais
Autor: PRADO, Maria Ligia C.
In: Marta de Almeida, Moema de Rezende Vergara. (Org.). Ciência, História e Historiografia. 1 ed. São Paulo; Rio de Janeiro, Via Lettera; MAST, 2008, v. 1, p. 101-112

Fundamentos da História da América Latina
Autor: PRADO, Maria Ligia C.
In: Cremilda Medina. (Org.). Povo e Personagem: sociedade, cultura e mito no romance latino-americano. 1 ed. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 2008, v. 3, p. 19-35

Os caminhos de construção da identidade nacional criolla entre o fim do Império Espanhol e a estruturação dos Estados Nacionais na América Latina
Autor: GIL, Antonio C. A.
In: Adriana Pereira Campos; Gilvan Ventura da Silva. (Org.). Os Impérios e suas matrizes políticas e culturais. Vitória: Flor & Cultura; Université de Paris-Est, 2008, p. 95-107

Entre o Brasil e a Colômbia, uma experiência pessoal
Autor: ALMEIDA, J.
In: Carlos Fico; Marieta de Moraes Ferreira; Maria Paula Araujo; Samantha Quadrat. (Org.). Ditadura e Democracia na América Latina - balanço histórico e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008, v. 1, p. 307-319

Qualquer festa é festa (?)
Autor: ALMEIDA, J. ; SOUZA, Ana Guiomar Rego
In: Pesavento, Sandra Jathay; Alencar, Maria Amélia G.; Serpa, Hélio C.; Capel, Heloisa S.F.; Carvalho, Euzébio F. de; Quadros, Eduardo G. de; Oliveira, Eliézer C. de; Queiroz, Maria Madalena. (Org.). Sensibilidades e Sociabilidades. Perspectivas de Pesquisa. Goiânia, Editora da UCG, 2008, v. 1, p. 29-37

Cueca/chilena
Autor: GUTIÉRREZ, Horacio.
In: Jay Kinsbruner; Erik D. Langer. (Org.). Encyclopedia of Latin American History and Culture. 2 ed. Nova York: Charles Scribner s Sons, 2008, v. 2, p. 711-712

Exaltação do mestiço: a invenção do roto chileno
Autor: GUTIÉRREZ, Horacio
Florianópolis, Esboços (UFSC), v. 20, p. 139-153, 2008

Images from the empire: The Hollywood cinema and the construction of an American identity for the good neighbourliness policy
Autor: ZAGNI, Rodrigo Medina
São Paulo, Cadernos PROLAM/USP, ano 8, v. 1, 2008, p. 67 - 91

Constructing Pariah Spaces in the Americas: Newspaper Representations of Slums, Ghettos and Favelas in the 1960s
Autor: PURDY, Sean
In: Karen Dubinsky, Catherine Krull, Susan Lord, Sean Mills, e Scott Rutherford (orgs.), New World Coming: The Sixties and the Shaping of Global Consciousness. Toronto, Between the Lines Press, 2009

Falsas Promessas: Neoliberalismo e a Reforma da Habitação Pública na América do Norte, 1990-2007
Autor: PURDY, Sean
São Paulo, Revista Outubro, n.18, 2009

Tempos Revolucionários
Autor: MADER, Maria Elisa
Rio de Janeiro, Revista de História da Biblioteca Nacional, 2008

Revoluções de independência na América Hispânica: uma reflexão historiográfica
Autor: MADER, Maria Elisa
São Paulo, Revista de História (USP), 2008

Civilização, barbárie e as representações espaciais da nação nas Américas no século XIX
Autor: MADER, Maria Elisa
São Leopoldo, Revista História Unisinos, 2008

América-Americanos
Autor: MADER, Maria Elisa e FERES Jr. João
Revista Ler História. Lisboa, Editora Ler História, 2008

Santa Librada y las Independencias Americanas
Autor: ALMEIDA, J.
Ómnibus. Revista intercultural del mundo hispanohablante, v. IV, p. 6, 2008

A honra perdida de Rafaela Sandoval na Independência (Popayán, 1821-1823)
Autor: ALMEIDA, J.
HISTORIA REVISTA da UFG, v.13, n.2, 2008

A Economia dos EUA, uma visão agregada, 1981 – 2005
Autor: SOUZA, Luiz E. S. de
São Paulo, LCTE, 2009

Revoluções de independências e nacionalismos nas Américas - Nova Granada, Venezuela e Cuba
Autor: AMPLONA, Marco A.; MADER, Maria Elisa.  (Orgs.)
São Paulo, Paz e Terra, 2009

Nacionalismo no novo mundo: a formação de estados-nação no século XIX
Autor: PAMPLONA, Marco A. E DOYLE, D.H.  (Orgs.)
Rio de Janeiro, Record Ed., 2008

Ditadura e Democracia na América Latina
Autor: FICO, Carlos; FERREIRA, Marieta de Moraes; ARAUJO, Maria Paula; QUADRAT, Samantha Viz (Orgs.)
Rio de Janeiro, Editora FGV, 2008

Simón Bolívar
Autor: SOARES, G. P.
São Paulo, Secretaria de Estado da Educação; Fundação Memorial da América Latina, 2008

A história na América Latina - ensaio de crítica historiográfica
Autor: MALERBA, Jurandir
Rio de Janeiro, Editora FGV, 2009

Intercâmbios Políticos e Mediações Culturais nas Américas
Autor: PRADO, Maria Lígia Coelho e CAPELATO, Maria Helena Rolim (Orgs.)
São Paulo, FFLCH-USP, 2009

Os Intelectuais Cubanos e a Política Cultural da Revolução (1961-1975)
Autor: MISKULIN, Silvia Cezar
São Paulo,  Alamada, 2009

Literatura folclórica del Maule. 2ª edição
Autor: GUTIÉRREZ, Horacio e ALBORNOZ, Omar Gutiérrez
Santiago, Ril Editores, 2008, 196p.

A Política Externa Brasileira e a Argentina Peronista (1946-1955)
Autor: CAVLAK, Iuri
Sao Paulo, Annablume, 2008

Cuestiones Agrarias en el Varguismo y el Peronismo
Autor: RIBEIRO, Vanderlei Vazelesk
Quilmes, Universidad Nacional de Quilmes, 2009

A Roça y la Campaña: a Questão Agrária face ao Varguismo e ao peronismo
Autor: RIBEIRO, Vanderlei Vazelesk
Niterói, Editora da Universidade Federal Fluminense, 2006

Revoluções de Independências e Nacionalismos nas Américas - Nova Espanha
Autor: MADER, Maria Elisa
São Paulo, Editora Paz e Terra, 2008

Os inventores do New Deal: Estado e sindicatos no combate à Grande depressão
Autor: Limoncic, Flávio
Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2009

Dossiê: Estados Unidos: Novas perspectivas
Autor: Departamento de História da Universidade Federal Fluminense
Revista Tempo, v. 13, julho de 2008

Dossiê: História A questão regional: aspectos conceituais e avanços empíricos
Autor: Departamento de História, Unisinos
Revista História Unisinos, vol.13, n.1, jan-abril 2009

Dossiê: 1968, O Ano Zero de Uma Nova Era
Autor: Revista História Viva
São Paulo, n.54, abril de 2008

Dossiê: 1968, Muito Além de Maio
Autor: Revista Cult
São Paulo, n.126, agosto de 2008

Dossiê: América Latina
Autor: Departamento de História, Universidade Federal de Goias
História Revista, v.13, n.2, 2008

 

 

MATÉRIAS

 

Morreu o historiador boliviano Guillermo Lora

No último dia 17 de maio de 2009 morreu em La Paz um dos mais importantes intelectuais bolivianos e latino-americanos do último século. Guillermo Lora nasceu em Uncía em 1921 e o longo de seus 88 anos de vida desenvolveu uma vasta obra intelectual com vários clássicos da historiografia boliviana como “La Historia del Movimiento Obrero Boliviano”, “La revolución boliviana – un analisis critico”, “La novela boliviana” entre numerosos escritos publicados em 67 grossos volumes de 500 páginas de suas Obras Completas. Era dono de um vigoroso e límpido estilo de escritor político, revelando-se profundo conhecedor da história política e cultural de seu país. Quem teve oportunidade de compartilhar seu contato pessoal não deixou certamente de ser influenciado pelo seu otimismo e energia como investigador e principalmente homem de ação. Sua enorme biblioteca e principalmente sua erudição cultural estavam sempre disponíveis para serem compartilhadas por jovens investigadores e a gente simples do povo que frequentava sua Universidade Popular. Formou várias gerações de intelectuais, professores, políticos e artistas comprometidos ou influenciados pelas suas ações e projetos de superação da miséria crônica que esmaga a Bolívia há tantos séculos. Foi acima de tudo um homem de ação que buscou encarnar a figura do intelectual revolucionário capaz de construir dialeticamente sua prática política e sua produção teórica. Permaneceu fiel e coerente com as perspectivas do marxismo e a orientação trotskista que abraçou desde sua juventude. Agiu decisivamente em momentos marcantes da história boliviana do século XX como a Revolução de 1952 e a Comuna de La Paz em 1971. Sua militância angariou admiradores e seguidores, mas também muitos adversários que, no entanto, o respeitavam pela sua integridade e coerência política e intelectual. Suas obras e sua trajetória por si sós incorporaram-se como parte do rico e original patrimônio histórico cultural não apenas da Bolívia, mas de toda a América Latina.
Everaldo de Oliveira Andrade
Universidade Guarulhos

 

 

Uma historiadora do Império Português 

No dia 30 de janeiro último perdemos Maria de Fátima da Silva Gouvêa. Ela faleceu subitamente, de embolia pulmonar, quando se preparava para regressar de Lisboa, onde estava há cerca de um ano, realizando atividades de pesquisa, a que era tão devotada.
Sua morte tão repentina e prematura produziu tristeza e perplexidade em todos os que a conheceram e conviveram com ela nos vários ambientes acadêmicos em que circulou no Brasil, Portugal, Inglaterra e EUA.
Fátima ingressou na UFF como aluna, na Graduação em História, no final da década de 70. Depois de uma especialização em História Social na Universidade Federal do Paraná, no início dos anos 80, decidiu continuar sua formação em Londres. Sob a orientação de dois grandes nomes da historiografia, Professores John Lynch e Leslie Betthell, concluiu, em 1984, o Mestrado no Institute of Latin American Studies e, em 1989, o Doutorado no University College of London. Lastreada em pesquisa de fôlego sobre as instituições do Brasil Imperial, Fátima regressou ao Brasil e ingressou na UFF como professora no Departamento de História, em 1991. Logo deu início às atividades na Pós-Graduação e participou da criação do NUPEHC – Núcleo de Pesquisa em História Cultural, do qual foi coordenadora em vários períodos. Ainda nos anos 90, foi convidada a dar aulas no Dikinson College, nos EUA, com bolsa da Fulbright, estabelecendo laços acadêmicos com aquele país, depois renovados por ocasião de seu Pós-Doutorado na Johns Hopkins University, em 2000, sob a supervisão do Professor  Russell-Wood.
Em Portugal, suas passagens e contatos foram muitos. Esta sua última estadia se deu através de uma bolsa de Pós-doutorado, no âmbito do convênio CAPES-CRICES, com o projeto A Monarquia e seus Idiomas: corte, governos ultramarinos, negociantes, régulos e escravos no mundo português (sécs. XVI-XIX). Fátima também se encontrava como Investigadora Visitante do Instituto de Ciências Sociais, da Universidade de Lisboa, sob a supervisão do Professor Nuno Gonçalo Monteiro, parceiro em inúmeras atividades acadêmicas anteriores.
Pesquisadora 1 do CNPq, participante do projeto PRONEX Culturas Políticas Usos do Passado e pesquisadora recém-premiada pelo programa Cientista do Nosso Estado/FAPERJ, Fátima tornou-se uma das mais destacadas especialistas no âmbito da história moderna e colonial do PPGH. Autora do livro Império das Províncias, fruto ainda inédito de sua pesquisa de Doutorado, ainda up to date neste ano de 2009, quando foi publicado, Fátima foi co-organizadora da obra de referência para a historiografia do Brasil Colonial e do Império Português na Época Moderna, O Antigo Regime nos Trópicos (2001) e do livro Culturas Políticas: ensaios de história cultural, história política e ensino de história (2005), resultado de pesquisas do NUPEHC.
Fátima deixou, ainda em andamento, importante projeto editorial sobre a historiografia do Brasil Colonial, reunindo especialistas na área, do Brasil e do exterior. Com o Professor João Fragoso, organizou importante livro intitulado Na trama das redes: política e negócios no império português, século XVI-XVIII. Fruto do Seminário Internacional organizado por ela na UFF, entre maio e junho de 2006, a obra tem previsão de lançamento para março próximo, pela editora Civilização Brasileira. Entre os anos 2006 e 2007, Fátima foi uma das editoras da Revista Tempo e organizadora do dossiê Trajetórias e sociabilidades no Brasil da Corte Joanina, publicado na Tempo n.º 24, no primeiro semestre de 2008.
Em cooperação com historiadores brasileiros e portugueses, como Maria Fernanda Baptista Bicalho, João Fragoso, Antônio Carlos Jucá, Nuno Gonçalo Monteiro, António Manuel Hespanha, entre outros, Fátima contribuiu para construir um novo marco historiográfico, ao inserir o que se costumou designar como história do Brasil-colônia na dinâmica do Império Português. Sua dedicação à pesquisa, associada ao dinamismo e entusiasmo invejáveis com que se empenhava na realização de seus projetos, fez dela um importante elo nessa rede de historiadores, entre os dois lados do Atlântico.
Há que se destacar, também, a importância de suas pesquisas para a renovação do ensino de História das Américas, área em que atuava com muito entusiasmo na Graduação, desde 1992, e que fez dela um membro atuante da ANPHLAC – Associação Nacional de Pesquisadores em História das Américas.
Orientadora de inúmeras teses e dissertações, Fátima será sempre lembrada pelo carinho e atenção desmedidos que dedicava a seus alunos e orientandos, pelo destemor na defesa das causas que eram suas, pela transparência, generosidade, simpatia e simplicidade que nunca a abandonaram. Sua vibração pelo ofício de historiador era tal que costumava dizer ser a sua a “melhor profissão do mundo”.
Essa guerreira de coração imenso partiu de repente e deixou em todos os que a admiravam um sentimento de perda irreparável. Ficamos com o consolo de ter tido o privilégio de compartilhar tantas experiências e conviver com pessoa tão querida e valorosa durante todos esses anos.
Que seu filho Luigi saiba que, além de mãe dedicadíssima e amorosa, Fátima deu sentido à sua existência cultivando saberes e afetos em todos os lugares por onde passou.
Cecilia Azevedo, NUPEHC/PPGH/GHT, Universide Federal Fluminense

 

 

Resenha: A história do conceito de Latin America nos Estados Unidos

FERES JR, João. A história do conceito de Latin America nos Estados Unidos. Bauru, SP: EDUSC, 2005, 317 p.
Flavia Galli Tatsch, Doutoranda em História pelo IFCH/UNICAMP, Bolsista FAPESP
João Feres Jr. é PhD em Ciência Política pelo Graduate Center da City University of New York (CUNY), membro do History of Political and Social Concepts Group (HPSCG) e professor de Ciência Política no Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. Em 2005, lançou pela EDUSC uma versão revisada da tese de doutorado, que venceu o concurso EDUSC-ANPOCS (Edição 2004) de melhor trabalho de Ciência Política
O tema central do livro é a construção histórica e o uso do conceito de Latin America nos Estados Unidos: as diferentes conotações semânticas do termo, as representações pejorativas e insultuosas que evidenciam formas discursivas de desrespeito, e as conseqüências práticas da adoção de certas formas de discurso. Tendo como fontes verbetes do Oxford English Dictionary; textos de jornalistas, cientistas sociais e políticos; documentos e discursos de congressistas americanos; iconografia e livros-texto de introdução aos Latin American Studies, o autor propõe algumas formas de análise: o uso repetido do raciocínio sinedóquico (que se funda na relação de compreensão que consiste no uso do todo pela parte, do plural pelo singular); as diferentes tipologias de forma de desrespeito; e o estudo de conceitos assimétricos, que negam o reconhecimento do Outro, no caso o Latin American.
            Logo no prefácio e na introdução, o autor busca por termos semanticamente simétricos a Latin America. A pesquisa inicial levou a três possíveis correspondentes: North America, Anglo-Saxon e Latin. No entanto, nenhum deles se inscreve na categoria desejada: North America constitui-se em conceito geográfico (norte); Anglo-Saxon contém conotações racistas, segregacionistas ou de exclusão de minorias; e Latin pode definir quer uma região geográfico-linguística, quer o caráter do latino, quer ainda o elemento racial. É perceptível o descompasso entre o caráter estritamente geográfico-lingüístico e o aspecto pejorativo associado ao temperamento e comportamento das pessoas de origem ou descendência latino-americana.
            Tendo como base a investigação da retórica específica das ciências sociais, Feres chega à conclusão de que a construção do conceito de Latin America está baseada em um sentido moral de definição de um Eu coletivo – os norte-americanos. Assim, a aplicação generalizada do termo (sinédoque) para nomear o continente e seus países gera, na realidade, uma inversão na qual o Latin é o Outro não só que habita o continente abaixo do Rio Grande como aquele cuja imagem é negativa e de caráter irracional, oposta à auto-imagem glorificada do estadunidense.
O ponto de partida para essa discussão é a teoria do reconhecimento, um dos tópicos mais discutidos da teoria política e social contemporânea. Dialogando com autores como Friedrich Hegel e Reinhart Koselleck, o autor dedica todo um capítulo à verificação de quais são as conseqüências éticas e morais envolvidas nas formas lingüísticas que se constituem em atos de identificação de grupos humanos, cuja construção deve ser entendida em sua historicidade. Denominadas de pares de contraconceitos assimétricos, nada mais são do que a construção de uma identidade positiva que um grupo (o Eu coletivo) faz de si em detrimento da imagem do Outro. Vale ressaltar que a definição não é mútua, pois “enquanto o Eu define o Outro como pura negação de sua auto-imagem, o Outro não se reconhece naquela definição” (FERES, 2005: 38), tomando-a como uma forma de ofensa. Assim, a oposição assimétrica é uma maneira pela qual o desrespeito e a negação do reconhecimento podem ser articulados, contribuindo para o rebaixamento do status social daqueles que são insultados e restringindo o acesso à representação política. Trata-se, portanto, de um projeto de relacionamento com o mundo.
O que chama a atenção é o fato de que essas estruturas semânticas têm sido transmitidas e assimiladas por novos pares sucessivos, num circuito de contemporaneidade do não-contemporâneo. E é aqui que Feres se volta para o mapeamento da história semântica de Latin America, cuja origem remonta ao século XIX e aos discursos panlatinistas de origem francesa (entre eles, o de Michel Chevalier) ou espanhola (com José Maria Torres Caicedo). Em ambos os casos, o termo estava no centro de ideologias diretamente ligadas a projetos políticos: no primeiro, simbolizava a proposta de política externa de um estado monárquico restaurado; no segundo, procurava fazer frente ao projeto expansionista norte-americano.
Um século depois, durante o período da Guerra Fria, o conceito esteve novamente imbricado em um projeto político. Toda uma literatura de estabilidade política norte-americana encarava a América Latina como um palco por excelência de luta contra o comunismo, sugerindo a criação de mecanismos que assegurassem uma transição segura do tradicionalismo e da paralisia histórica para um processo modernizador, em que a implementação do capitalismo – mediante, é claro, a influência do Tio Sam – se desse de maneira eficaz. Tal retórica transformava a América Latina em um objeto a ser apropriado, o que justificava algumas medidas extremas como intervenções, golpes militares, ditaduras.
Além da investigação na retórica das ciências sociais, Feres estende a análise a outras fontes, como a linguagem cotidiana de políticos, funcionários do governo, intelectuais, acadêmicos, viajantes, charges de época (para ele a linguagem acadêmica e a do dia-a-dia estão em pé de igualdade) e livros-texto utilizados nas universidades americanas na introdução dos Latin American Studies. Em todas elas, o autor percebe que a atribuição de características negativas aos hispano-americanos está relacionada ao desprezo pelos hábitos culturais, à clara menção de inferioridade racial – que abrange, ao mesmo tempo, mestiços, índios, espanhóis e negros - e à negação do reconhecimento das particularidades dos latino-americanos.
Feres aborda um tema polêmico e importante no campo da história conceitual. Traçar a construção semântica do conceito não significa lidar com teorias historicamente datadas. Pelo contrário: as estruturas têm sido transmitidas e assimiladas até os dias de hoje. O autor registra a construção de um estereótipo, reconhece a existência de um mundo dual, mas, note-se, dificilmente dele escapa. Não consegue elaborar um tipo de análise que fuja da universalidade estabelecida pelos pensadores europeus ou norte-americanos. Ele próprio fica preso nessa armadilha: não desconstrói o argumento do ponto de vista de outros teóricos. Em nenhum momento faz uso de referenciais latino-americanos para contrapor às idéias debatidas e criticadas ao longo do livro.
A originalidade de sua análise está em perceber como a apropriação dos discursos, acadêmicos ou da linguagem cotidiana, refletiu na adoção de uma prática em relação aos latino-americanos e seus descendentes.

 

 

Resenha: Os Caribes de Gaztambide-Géigel

Resenha: GAZTAMBIDE-GÉIGEL, Antonio. Tan lejos de Dios... Ensayos sobre las relaciones del Caribe con Estados Unidos. San Juan: Ediciones Callejón; La Habana: Centro de Investigación y Desarrollo de la Cultura Cubana Juan Marinello, 2006, 242 p.

Alex da Silveira, Universidade de Brasília

Tan lejos de Dios... é o instigante título do livro de Antonio Gaztambide, uma co-edição, lançada simultaneamente em Porto Rico e Cuba. O historiador, no prefácio, completa a expressão que dá nome ao conjunto de ensaios: “Tan lejos de Dios...  y tan cerca de los Estados Unidos”. A anedota política tem origem mexicana, onde era precedida de um lamento: “Pobre México...”. Difundida em outras sociedades, a expressão reflete a experiência caribenha em sua dimensão de região. A proximidade com o poderoso vizinho tem influência na dinâmica de identidades e trocas regionais, fato diretamente relacionado às definições de Caribe. Reside aí a maior originalidade da abordagem, pensar o Caribe como categoria histórica. O livro se desdobra, então, num duplo movimento: investigar as políticas norte-americanas para a região, no contexto das contradições internas àquele país, e, desde um lugar de fala demarcado, nuestra región, nela descortinar relações políticas e simbólicas, com ênfase no século passado. Tarefa cumprida com a autoridade de quem, como educador e pesquisador acostumado a construir pontes entre insularidades, conhece muito bem aquelas águas.
            O primeiro ensaio, “A invenção do Caribe a partir de 1898”, nos remete à questão das concepções colonialistas, desde afuera, mas também à apropriação e redefinição conduzida regionalmente, desde adentro. A invenção tardia do Caribe seria resultado de arranjos naquela “fronteira imperial”, que culminaram na hegemonia estadunidense. Não que a palavra fosse nova, havia sido empregada já por Colombo, para distinguir etnias que “resistiam à conquista”, e depois por ingleses (caribby). Porém, Antilhas, West Indies e Latinoamérica eram as designações mais comuns em diferentes concepções da região até o século XX. A partir daí emerge o signo Caribe e, no sentido de suas múltiplas definições, é que Gaztambide nos sugere pensar em muchos Caribes.
Duas tendências são discutidas no viés geopolítico. A primeira marca o período da intervenção militar norte-americana, iniciada com a ocupação de Cuba, ao fim da “Guerra, Cubano-Hispano-Estadunidense”, e com a anexação de Porto Rico. Este Caribe, aceito por boa parte da historiografia, reunia, a princípio, as Antilhas (quatro ilhas maiores) e o continente, de Belize ao Panamá, e, depois de 1945, todo o Caribe insular. A outra tendência propõe pensar um Grande Caribe, com a presença de México, Colômbia, Venezuela, originada em parte por interesses intrarregionais, mas também desde afuera, como ilustra a “contra-ofensiva” dos EUA sobre a Cuenca del Caribe. De maior complexidade são as definições menos territorializadas, o Caribe “etnohistórico” e o “cultural”. Trata-se de relações entre as Antilhas, sobretudo as hispanoparlantes (Cuba, República Dominicana e Porto Rico) e as repúblicas West Indies, antes colônias inglesas, neerlandesas ou francesas, sempre associadas às “Guianas” e a Belize. No interior de cada um desses universos e entre eles a afirmação de uma identidade caribenha permanece controversa, basta indicar que para uma dúzia de territórios a descolonização sequer se completou.
Os ensaios “A geopolítica do antilhanismo de fins do século XIX” e “Identidades internacionais e cooperação regional no Caribe” ampliam o debate anterior, sem perder de vista que as palavras “estão carregadas de histórias e, portanto, de ideologias e discursos, de imaginários”. Somos apresentados ao pensamento republicano e antilhanista de Ramón Emeterio Betances e Eugenio María de Hostos, nascidos em Porto Rico, e às idéias do poeta e revolucionário cubano José Martí. Intelectuais que lutaram pela emancipação de Porto Rico e de Cuba. A proposta de Confederación de las Antillas surgiria em manifesto pioneiro de Betances, de 1867, logo partilhada, com nuanças, por Hostos. De um antilhanismo, concebido para Cuba, República Dominicana, Porto Rico e Haiti, caminham para o latino-americanismo, mais situado, então, como Hispanoamérica – tendiam a excluir o Brasil, uma monarquia escravista. Já Martí, ao contrário, propõe uma categoria particular, Nuestra América. Ele postula, a partir da rejeição de modelos sociais e raciais das metrópoles, a independência política e econômica diante da Europa e dos Estados Unidos. Mais tarde, Martí teria uma práxis mais antilhanista, com a fundação do Partido Revolucionário Cubano, em 1892.
As relações internacionais entre Estados Unidos e Caribe são o tema dos demais ensaios, em que se defende uma história internacional que transcenda os espaços governamentais e a diplomacia (cf. Meier), incluindo “classes, interesses e grupos culturais e étnicos”, que atravessam as fronteiras nacionais. O terceiro e o quarto estudo situam essas relações a partir da irrupção dos EUA como potência colonial ultramarina no fim do século XIX, passando pela(s) Política(s) de Boa Vizinhança, até 1945. As resistências internas não conseguiriam impedir a ambigüidade de um discurso anticolonial acompanhado de freqüentes agressões aos países vizinhos, tais como as invasões do Haiti (1915) e da República Dominicana (1916). A luta pelo poder econômico e político sobre o Caribe continuaria mesmo sob a face da “Buena Vecindad”. Poucos ‘tratados de reciprocidade’ repercutiram, de fato, nas economias do Caribe, mas o governo de Roosevelt, a partir da entrada na grande guerra, ampliou a cooperação cultural e militar, “aparentando apoiar um sistema formal de Estados iguais” (p. 127).
 “Hacia uma historia social de las relaciones latinoamericanas” e “Estados Unidos, la idéia de desarrollo y el Gran Caribe”, por sua vez, são parte, como se anuncia, de um próximo livro, Camino al desarrollismo. Constituem uma análise profunda sobre os embates no interior da elite da política exterior norte-americana e a transição para o imperialismo hegemônico. Os confrontos entre corporações predominantemente nacionais, de um lado, e a burguesia internacional do Nordeste dos EUA, mais voltada para as articulações multinacionais, de outro, refletiam posições diferentes quanto à industrialização do continente. Nessa época, vemos surgir a política do “Bom Sócio”, nome genérico que se dá a vários ajustes a partir da Guerra Fria, marcada pelo combate ao desenvolvimento independente e ao comunismo, que implicaram ora em intervenções abertas, ora em apoio encoberto a regimes ditatoriais. Também surgem iniciativas no sentido de construir um modelo de desenvolvimento periférico. O autor destaca aí a trajetória da Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL), criada em 1948. O segundo livro de Gaztambide, certamente, trará análises ainda mais valiosas sobre esses fenômenos, centrais para uma história contemporânea do Caribe.
Trata-se, por tudo isso, de leitura proveitosa para os estudiosos das relações internacionais e da história caribenha. Os historiadores brasileiros, mais acostumados a olhar o Caribe desde o Brasil1, provavelmente sentirão falta da presença brasileira no cenário das relações internacionais abordado pelo autor. Particularmente, na discussão sobre o Caribe cultural, baseada na concepção, de Charles Wagley, das esferas culturais americanas. Uma dessas esferas, relativa às heranças da empresa açucareira escravista (plantation), em que se inclui o Brasil, é adotada no livro como fonte da definição do Caribe como “afroamérica”. Embora outros autores pensem o Caribe nessa dimensão ampliada, Gaztambide enfatiza que seu entendimento do Caribe cultural é como “Afroamérica Central”: ao sul dos Estados Unidos e ao norte do Brasil, “porém sem incluí-los” (p. 53).
A pesquisa histórica, de outro modo, vem revelando, cada vez mais, os “matizes caribenhos” de realidades brasileiras, no passado e no presente. A perspectiva cultural será enriquecida, como penso, quando integrar o Brasil na compreensão desses muchos Caribes. Afinal, Tan lejos de Dios nos alerta para a impossibilidade de uma definição correta de Caribe. Assim, o mais importante para fazer avançar o debate é o esclarecimento, em cada análise, de que Caribe se está falando e o porquê.

 

 

 

INICIAÇÃO CIENTÍFICA

 

Olhares cruzados – intelectuais e a constituição de um novo vocabulário político na Argentina e no Brasil no século XIX
Autor: Erica de Araújo Pavan; Laura de Araujo Jorge Cosendey; Isabella Mendes
Instituição: PUC-Rio/Faperj e PIBIC
Orientador: Maria Elisa Noronha de Sá Mader
Defesa: 2008

Comemorando em valor de face: a visão da comemoração do Centenário da Independência da América Latina pela numismática e pela filatelia
Autor: Carlos Eduardo Alcantara de Camargos
Instituição: UnB
Orientador: Jaime de Almeida
Defesa: 2008

Museus Históricos: o desafio do Segundo Centenário da Independência
Autor: Julia Furia Costa
Instituição: UnB
Orientador: Jaime de Almeida
Defesa: 2008

As viagens de Francisco
Autor: Frederico Santos Soares de Freitas
Instituição: Fac. de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – USP
Orientador: Gabriela Pellegrino Soares
Defesa: 2008

 

 

MONOGRAFIAS

 

Impressões do Brasil por Alfonso Reyes (1930-1942)
Autor: Janina Soares Rocha
Instituição: Departamento de História, UFMG
Orientador: Dra. Kátia Gerab Baggio
defesa: 2008

A venezuela de Hugo Chavez na imprensa brasileira
Autor: Ìcaro Langaro
Instituição: Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Orientador: Heloisa Jochims Reichel
defesa: 2008

A Colombia na imprensa brasileira dos anos 80
Autor: Sabrina de Souza
Instituição: Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Orientador: Heloisa Jochims Reichel
defesa: 2008

A Colombia na imprensa brasileira dos anos 80
Autor: Sabrina de Souza
Instituição: Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Orientador: Heloisa Jochims Reichel
defesa: 2008

A educação republicana no pensamento de Domingo Faustino Sarmiento
Autor: André Ferreira Mello
Instituição: Universidade Federal do Espírito Santo
Orientador: Fabio Muruci dos Santos
defesa: 2008

Americanismo, povo e elite: um estudo da retórica populista norte-americana no final do século XIX
Autor: Ayala Rodrigues Oliveira Pelegrine
Instituição: Universidade Federal do Espírito Santo
Orientador: Fabio Muruci dos Santos
defesa: 2008

Projetos educacionais de José Ingenieros e José Enrique Rodó: uma análise comparativa
Autor: Deibe Braga de Souza
Instituição: Universidade Federal do Espírito Santo
Orientador: Fabio Muruci dos Santos
defesa: 2008

"Governar é povoar": o projeto de imigração do pensamento de Juan Bautista Alberdi
Autor: Carlos Eduardo de Oliveira Gama
Instituição: Universidade Federal do Espírito Santo
Orientador: Fabio Muruci dos Santos
defesa: 2008

A revolução bolivariana de Hugo Chávez e a oposição da mídia venezuelana
Autor: Juliana Sobrinho Quiquita de Oliveira
Instituição: Universidade Federal do Espírito Santo
Orientador: Fabio Muruci dos Santos
defesa: 2008

O movimento feminista norte-americano nas décadas de 1960 e 1970 e as repercussões no Brasil
Autor: Liliane Cerqueira Queiroz
Instituição: Universidade Federal Fluminense
Orientador: Cecília da Silva Azevedo
defesa: 2008

O Cinema e a Política de Boa Vizinhança
Autor: Anna Beatriz de Freitas Maia
Instituição: Universidade Federal Fluminense
Orientador: Cecília da Silva Azevedo
defesa: 2008

A Política Externa Independente (1961-1964): seus objetivos e limites
Autor: Carolina Barcellos Ferreira
Instituição: Universidade Federal Fluminense
Orientador: Cecília da Silva Azevedo
defesa: 2008

A política de Boa Vizinhança: novos olhares da história
Autor: Fábio do Rosário Ribeiro
Instituição: niversidade Federal Fluminense
Orientador: Cecília da Silva Azevedo
defesa: 2008

O imaginário nacional e o exercício do imperialismo: o caso norte-americano
Autor: CMartha Gomes de Carvalho Kaippert
Instituição: Universidade Federal Fluminense
Orientador: Cecília da Silva Azevedo
defesa: 2008

As impressões de Sarmiento sobre a escravidão
Autor: Elizabeth de Mesquita Aleixo
Instituição: PUC-Rio
Orientador: Maria Elisa Noronha de Sá Mader
defesa: 2008

Chiapas: foco da resistência indígena e luta contra a exclusão política e social
Autor: Renata Telha Ferreira
Instituição: História/UERJ
Orientador: Maria Teresa Toribio Brittes Lemos
defesa: 2008

 

 

TESES

 

A construção da memória: os monumentos a Bento Gonçalves e José Artigas
Autor: Juarez José Rodrigues Fuão
Instituição: Programa de Pós Graduação Em História, UNISINOS
Orientador: Heloisa Jochims Reichel
Defesa: 2009

¿ALPARGATAS SÍ, LIBROS NO? Produção Cultural e Legitimidade Política durante o Governo de Perón (1946-1955)
Autor: Paulo Renato da Silva
Instituição: Departamento ded História, UNICAMP
Orientador: José Alves de Freitas Neto
Defesa: 2009

Intelectuais, política e literatura na América Latina: o debate sobre revolução e socialismo em Cortázar, García Márquez e Vargas Llosa (1958-2005)
Autor: Adriane Vidal Costa
Instituição: Programa de Pós-Graduação em História, UFMG
Orientador: Dra. Kátia Gerab Baggio
Defesa: 2009

A arquitetura de uma crise: história e política econômica na Argentina, 1989-2002
Autor: Luiz Eduardo Simões Souza
Instituição: Departamento de História, FFLCH, USP
Orientador: Wilson do Nascimento Barbosa
Defesa: 2008

Walt Whitman Rostow e a problemática do desenvolvimento: ideologia, política e ciência na Guerra Fria
Autor: Flavio Diniz Ribeiro
Instituição: Departamento de História, FFLCH, USP
Orientador: Maria Amelia Mascarenhas Dantas
Defesa: 2008

À sombra de um livro: história e ficção na leitura de 'Amphitryon', de Ignacio Padilla
Autor: Renato Brighenti Prelorentzou
Instituição: Departamento de História, FFLCH, USP
Orientador: Julio Cesar Pimentel Pinto Filho
Defesa: 2008

"...bajo su Real Protección": as relações internacionais e a geopolítica portuguesa na região do Rio da Prata (1808-1812)
Autor: Ronaldo B. Colvero
Instituição: Programa de Pós-Graduação em História das Sociedades Ibéricas e Americanas. PUC-RS
Orientador: Prof. Dr. Helder Gordim da Silveira
Defesa: 2009

Mercados coloniais: um estudo sobre a integração entre mercados latino americanos e europeus de 1650 a 1820
Autor: Ricardo Fernandes Paixão
Instituição: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, USP
Orientador: Jose Augusto Giesbrecht da Silveira
Defesa: 2008

A fotografia nos arquivos: a produção de documentos fotográficos da Fundação Rockefeller durante o combate à febre amarela no Brasil
Autor: Aline Lopes de Lacerda
Instituição: Departamento de História, FFLCH, USP
Orientador: Ana Maria de Almeida Camargo
Defesa: 2008

Um olhar sobre o país vizinho: representações do Brasil e da Argentina no contexto das relações diplomáticas (1930-1964)
Autor: Raquel Paz dos Santos
Instituição: Departamento de História, Universidade Federal Fluminense
Orientador: Cecília da Silva Azevedo
Defesa: 2008

As Convenções Sanitárias Internacionais entre o Império brasileiro e as Repúblicas platinas (1873 e 1887)
Autor: Cleide de Lima Chaves
Instituição: Programa de Pós-graduação em História Social da UFRJ
Orientador: Francisca L. Nogueira de Azevedo
Defesa: 2009

Brasil e Estados Unidos nas representações de Manuel de Oliveira Lima e Salvador de Mendonça
Autor: Américo Alves de Lyra Júnior
Instituição: Departamento de História, Universidade de Brasília
Orientador: Jaime de Almeida
Defesa: 2008

Imagens-Mundo e História na Literatura de Derek Walcott
Autor: Maria Angela Cappucci
Instituição: Departamento de História, Universidade de Brasília
Orientador: Jaime de Almeida
Defesa: 2009

A condição Mariel: memórias subterrâneas da experiência revolucionária cubana (1959-1990)
Autor: Rickley Leandro Marques
Instituição: Departamento de História, Universidade de Brasília
Orientador: Jaime de Almeida
Defesa: 2009

 

 

DISSERTAÇÕES

 

Por uma análise comparada entre os movimentos sociais na Bolívia e Venezuela e os partidos políticos MAS (Movimento al Socialismo) e PSUV (Partido Socialista Unido de Venezuela)
Autor: Rafael Pinheiro de Araujo
Instituição: Programa de Pós-Graduação em História Comparada, UFRJ
Orientador: Francisco Carlos Teixeira da Silva
Defesa: 2009

Democracia,comunismo e reformas na Venezuela de Rómulo Betancourt (1940-1964)
Autor: Claudia Aparecida Francisco
Instituição: Faculdade de História, Direito e Serviço Social/ UNESP
Orientador: Alberto Aggio
Defesa: 2008

A Revolução Mexicana e as tentativas de legitimação do poder nos discursos presidenciais de Lázaro Cárdenas (1934-1940)
Autor: Rafael Pavani da Silva
Instituição: Departamento de História, UNICAMP
Orientador: José Alves de Freitas Neto
Defesa: 2009

Carlos Octávio Bunge e José Ingenieros: entre o cientifico e o político. Pensamento racial e identidade nacional na Argentina (1880 - 1920)
Autor: Camila Bueno Grejo
Instituição: Unesp/Assis
Orientador: José Luis Bendicho Beired
Defesa: 2009

Que se vayan todos! Os piqueteros e a agenda neoliberal na Argentina (1989-2001)
Autor: Danilo Destro Pádua
Instituição: Departamento de História, UNICAMP
Orientador: José Alves de Freitas Neto
Defesa: 2009

El Protector de los pueblos críticos: construções e reconstruções da imagem do caudilho José Artigas na historiografia uruguaia do século XX
Autor: Autor: Gabriel Souza Sordi
Instituição: Departamento de História, UNICAMP
Orientador: José Alves de Freitas Neto
Defesa: 2009

Discursos sedutores: a difusão cultural estadunidense e um novo paradigma da modernidade no Recife (1940-1946)
Autor: Marcos Alexandre de Mello Santiago Arraes
Instituição: Programa de Pós-Graduação em História Cultural, UFSC
Orientador: Maria de Fátima Fontes Piazza
Defesa: 2009

Americanismo(s) no Uruguai: os olhares entrecruzados dos intelectuais sobre a América Latina e os Estados Unidos (1917-1969)
Autor: Mateus Fávaro Reis
Instituição: Departamento de História, UFMG
Orientador: Dra. Kátia Gerab Baggio
Defesa: 2008

Insurgências poéticas: arte ativista e ação coletiva (1990-2000)
Autor: André Luiz Mesquita
Instituição: Departamento de História, FFLCH, USP
Orientador: Marcos Antonio da Silva
Defesa: 2007

Substâncias da idolatria: as medicinas que embriagam os índios do México e Peru em histórias dos sécs. XVI e XVII
Autor: Alexandre Camera Varella
Instituição: Departamento de História, FFLCH, USP
Orientador: Henrique Soares Carneiro
Defesa: 2008

Judeus e marranos no Brasil holandês: pioneiros na colonozação de Nova York (séculoXVII)
Autor: Daniela Tonello Levy
Instituição: Departamento de História, FFLCH, USP
Orientador: Anita Waingort Novinsky
Defesa: 2008

Neofascismo em Cena: O avanço conservador norte-americano e o caso da National Alliance
Autor: Tatiana Silva Poggi de Figueiredo
Instituição: Universidade Federal Fluminense
Orientador: Cecília da Silva Azevedo
Defesa: 2008

Os Cenários políticos da intervenção portuguesa na Banda Oriental do Uruguai (1811-1816)
Autor: Fernando Comiran
Instituição: UNESP/Assis
Orientador: Clodoaldo Bueno
Defesa: 2008

Sahagún e as festas agrícolas mexicas: em busca de um sentido
Autor: Karen Alejandra Arriagada Valdivia
Instituição: PUC/SP
Orientador: Fernando Torres Londoño
Defesa: 2008

Carlos Octávio Bunge e José Ingenieros: entre o cientifico e o político. Pensamento racial e identidade nacional na Argentina (1880 - 1920)
Autor: Camila Bueno Grejo
Instituição: Unesp/Assis
Orientador: José Luis Bendicho Beired
Defesa: 2009

A Conquista do Prata: análise da crônica de Ulrico Schmidl
Autor: Luis Guilherme Assis Kalil
Instituição: Departamento de História/IFCH/Unicamp
Orientador: Leandro Karnal
Defesa: 2008

Cuadernos de Marcha (Primeira Época, Montevidéu, 1967-1974): uma "trincheira de idéias" desde o Uruguai para o mundo
Autor: Cristiano Pinheiro de Paula Couto
Instituição: Programa de Pós-Graduação em História Cultural, UFSC
Orientador: Ana Lice Brancher
Defesa: 2008

Costumbrismo, Hispanismo e Carater Nacional em Las Mujeres Españolas, Portuguesas y Americanas: imagens, textos e política nos anos 1870
Autor: Edméia Ribeiro
Instituição: Programa de pós-graduação em História, Unesp/Campus de Assis
Orientador: Carlos Alberto Sampaio Barbosa
Defesa: 2009

As Conferências Pan-Americanas: identidades, união aduaneira e arbitragem (1889 a 1928)
Autor: Tereza M.S. Dulci
Instituição: Dpto História/FFLCH/USP
Orientador: Maria Ligia Coelho Prado
Defesa: 2008

Americanismo(s) no Uruguai: os olhares entrecruzados dos intelectuais sobre a América Latina e os Estados Unidos (1917-1969)
Autor: Mateus Fávaro Reis
Instituição: Programa de Pós-Graduação em História da UFMG
Orientador: Dra. Kátia Gerab Baggio (História-UFMG)
Defesa: 2008

As contradições da contemporaneidade peruana a partir de El zorro de arriba y el zorro de abajo de José Maria Arguedas
Autor: Mariana Bonfanti de Nóbrega Gouveia
Instituição: Programa de pós graduação em História. PUC-SP
Orientador: Vera Lucia Vieira
Defesa: 2009

O Bonapartismo Uruguaio nos Editoriais do Semanario Búsqueda (1972-1985)
Autor: Antônio Bezerra Nunes
Instituição: Programa de pós graduação em História, PUC-SP
Orientador: Vera Lucia Vieira
Defesa: 2008

 

 

EXPEDIENTE