A conquista espiritual da América: sucesso ou fracasso? - Filmografia

A conquista espiritual da América: sucesso ou fracasso?

Autor(a): Cándida Graciela Chamorro-Argüello

E-mail: candidaarguello@ufgd.edu.br

 
 
Filmografia
 
 

A Missão (The Mission). Diretor: Roland Joffé. Ano: 1986. País: Inglaterra.

Lançado em 1986 sob a direção de Roland Joffé, o filme A Missão pretendeu dramatizar a história das missões jesuítico-guaranis na América do Sul. Seu argumento central reside na crise de consciência vivida por um mercador de escravos indígenas, o qual se converte em missionário jesuíta na região dos "Sete Povos das Missões", área disputada por portugueses e espanhóis, e que será palco da "Guerra Guaranítica" por ocasião do Tratado de Madrid de 1750.


Se o filme agradou ao grande público, especialmente pela beleza plástica de muitas cenas (recebeu o Oscar de fotografia daquele ano), ele foi alvo de forte rejeição dos historiadores. Criticaram-no tanto os observadores dos equívocos que poderíamos chamar de factuais (e que são inúmeros e graves), quanto os que discordaram da sua posição francamente favorável à "conquista espiritual". Isto é, ainda que o filme não se apresente como uma narração histórica no seu sentido mais estreito, ele não pondera sobre as implicações mais profundas da ação missionária jesuítica. Desta forma, a violência fica localizada em espaços que estão "fora" desta ação: seja entre os espanhóis que buscam escravos índios (e a forma equivocada pela qual também este tema é tratado, mereceria um trabalho com os alunos), seja entre as autoridades metropolitanas (civis e eclesiásticas) que, movidas pela razão de Estado, acabam condenando os "pueblos jesuíticos".

ATIVIDADE: O filme pode oportunizar uma discussão com os alunos (mais adultos) acerca das relações entre a narrativa histórica e a cinematográfica (quais os compromissos/descompromissos desta última em relação à história). Pode, por outro lado, em uma atividade menos complexa, servir de mote para uma pesquisa conduzida pelos alunos sobre vários dos temas que o filme levanta: a "missão" (e não apenas aquela dos jesuítas), as relações entre índios e padres (violência e constrangimento X atração e convencimento), a catequese e a ocidentalização, a organização dos "pueblos de indios" entre outros.

 

Hábito negro (Black Robe). Diretor: Bruce Beresford. Ano: 1991. Países: Austrália, Canadá.

Hábito negro, produção australiano-canadense de 1991, dirigida por Bruce Beresford, trata da história do padre jesuíta La Forgue , sua jornada através dos caminhos gelados do Canadá em 1634, e sua tentavia de catequisar os índios algonquinos.

A narrativa proposta pelo filme, é a da saga de um jesuíta novato e ambicioso, em missão na (hostil...) região da Nova França, no século XVII. Seu ponto de partida é o ano de 1634, quando Laforgue inicia sua aventura seguindo um rio em Quebec, até um posto de uma desolada missão jesuíta.

ATIVIDADE: Não lançado em DVD no Brasil, este filme pode ter uma aplicação muito interessante em sala de aula, uma vez que nos conduz a pensar outras experiências para além daquelas que recebem tratamento mais freqüente na nossa literatura e em nossa prática docente. Além das questões relativas à colonização do Canadá (que sugeriria uma abordagem comparada), ele nos oportuniza tratar com os alunos temas como: a (errônea) generalização que se costuma fazer acerca do que seriam os "índios americanos", o reconhecimento destas diferenças por parte dos jesuítas e suas diferentes estratégias para diferentes realidades, as "respostas" indígenas à missão dos jesuítas entre outros.